Black Lives Matter. We stand in solidarity with those affected by generations of structural violence. You can help »

The Brooklyn Rail

FEB 2021

All Issues
FEB 2021 Issue
Critics Page

ReAntropofagia

era primeiro de maio de vinte e oito
dia de manifesto da fome do trabaiadô
só a antropofagia nos une, coração
em página reciclada de mato-virgem
desvirginou pindorama num falso-coito
urgências do artista-moderno-devorado

de pulmões, rins, fígado e coração
filé oswald de andrade à barbecue
tupy or not tupy, that is true
or that´s future-já-passado
wirandé seu honoris-doutô
mário bom mesmo é o encanador
que faz assado de tartaruga

a arte moderna já nasceu antiga
com seus talheres forjados à la paris
faca, fork, prato raso e bourdeaux
páris que por fuck faz bobagem
se a arte indígena durará dez anos
eu quero ser aquiles: que será famoso
e morrerá antes de receber o troféu
na queda do céu ser estrela cadente
- pintou e bordou, dirão na cantiga

a arte-macunaíma no moquém
fará uga-uga com as mãos nos lábios
pois é um totem, um pau-de-sebo
onde ninguém consegue o prêmio
grêmio de colecionadores, ratos
brancos de laboratório estéril
onde pratos fake-antropofágicos
são menu para abutre-cinéreo

sério, nasceria de fórceps uma arte brasileira?
sem índios na canoa que falha-trágica
quero quem come com as mãos, alguém?
sem limites-geo e conectada à máter
ReAntropofagia posta à mesa nostálgica
é arte-indígena crua sem nenhum caráter

quando desta arte pau-brasil-tropical
não sobrar um só osso mastigado
sobrará o tal epitáfio como recado:

aqui jaz o simulacro macunaíma
jazem juntos a ideia de povo brasileiro
e a antropofagia temperada
com bordeaux e pax mongólica
que desta longa digestão
renasça Makünaimî
e a antropofogia originária
que pertence a Nós
indígenas



Denilson Baniwa, <em>Re-Antropofagia</em>, 2018. Técnica mista. Cortesia do artista.
Denilson Baniwa, Re-Antropofagia, 2018. Técnica mista. Cortesia do artista.



Denilson Baniwa, 36 anos, nasceu em Mariuá, no Rio Negro, Amazonas. Sua trajetória como artista inicia-se a partir das referências culturais de seu povo já na infância. Na juventude, o artista inicia a sua trajetória na luta pelos direitos dos povos indígenas e transita pelo universo não-indígena apreendendo referenciais que fortaleceriam o palco dessa resistência. Denilson Baniwa é um artista antropófago, pois apropria-se de linguagens ocidentais para descolonizá-las em sua obra. O artista em sua trajetória contemporânea consolida-se como referência, rompendo paradigmas e abrindo caminhos ao protagonismo dos indígenas no território nacional.

Contributor

Denilson Baniwa

Denilson Baniwa is 36 years old and was born in Mariuá, on the Black River (Rio Negro), Amazonas State. His path as an artist began with cultural influences drawn from his own people in childhood. In his youth, this artist began his trajectory in the struggle for the rights of indigenous peoples. He also navigated the non-indigenous universe, learning to grasp additional references to further strengthen his art scene of resistance. Denilson Baniwa is an anthrophagous artist who appropriates Western languages in order to decolonize them in his work. He has consolidated himself as a reference in his contemporary trajectory, breaking paradigms and opening paths for prominence for indigenous people in Brazil.

close

The Brooklyn Rail

FEB 2021

All Issues